ação de redução de danos com colagem de lambe-lambe

Como fazemos nosso trabalho em tempos de pandemia?

postado em: blog 0

Como fazemos nosso trabalho em tempos de pandemia?

Com a pandemia do novo coronavírus, muita coisa mudou. As demandas do território mudaram, e o modo de atuar das equipes também precisou se adaptar a essa realidade.

por Ana Luiza Voltolini Uwai

Read in english
Leer en español

O Centro de Convivência É de Lei realiza trabalho de redução de danos há mais de 20 anos. A proposta das equipes, ao realizarem trabalho de campo, sempre foi trabalhar a noção de autocuidado, principalmente por meio do estabelecimento de vínculos, para que as estratégias de cuidados frente aos riscos e danos relacionados ao uso de substâncias fossem uma construção conjunta. 

Os insumos fazem parte desse processo, pois são um ponto de partida para uma conversa, a manutenção do vínculo e ferramentas de prevenção, sempre construídos em conjunto com as pessoas que irão usá-los.

Tais insumos precisam se adequar aos contextos em que se atua e se adaptarem às mudanças. Quando o É de Lei começou sua atuação no centro de São Paulo, no começo da década de 1990, o uso de cocaína injetável era muito comum e um dos principais fatores para o aumento da infecção por HIV. Assim, um insumo importante para a época eram as seringas descartáveis, que redutores e redutoras de danos trocavam pelas usadas das pessoas usuárias.

Com o passar do tempo, a cocaína fumada – o crack – passou a ser a substância mais associada às pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade em São Paulo, não à toa o território em que o É de Lei mais está presente nos últimos anos é a região conhecida como Cracolândia. 

Hoje, os insumos de redução de danos utilizados pelas pessoas redutoras de danos na equipe do É de Lei são: as piteiras de silicone, que têm a proposta de incentivar o uso individual, evitando o compartilhamento dos cachimbos; os protetores labiais, que protegem e colaboram na cicatrização de fissuras e queimaduras causadas pelo uso constante do cachimbo de alumínio; preservativos internos, externos e gel lubrificante, insumos inclusive fornecidos pelo poder público para diminuir riscos frente às infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e Hepatites Virais, além de folder com informações sobre cada umas das substâncias mais presentes na vida das pessoas com quem trabalhamos: cocaína/crack, álcool e maconha. 

Mais recentemente, o É de Lei passou a ter um núcleo de práticas de redução de danos voltadas a mulheres (cis, trans e travestis), o que levou as equipes a atuarem com um olhar que busca discutir questões relacionadas a gênero no território. Desse diálogo, insumos como calcinhas e absorventes passaram a incorporar os kits de redução de danos da organização.

Redução de Danos e Coronavírus

Com a pandemia do novo coronavírus, muita coisa mudou. As demandas do território mudaram, e o modo de atuar das equipes também precisou se adaptar a essa realidade. Se antes as idas a campo eram feitas 2 vezes por semana, no mínimo, depois da determinação de isolamento do governo, foi preciso repensar como estar presente. 

Os kits de Redução de Danos agora são entregues junto a kits de higiene, com álcool em gel, sabonete, lenços de papel e máscaras descartáveis. Também foi pensado um material informativo específico para prevenção em contextos de vulnerabilidade, com indicações de onde acessar água para lavar as mãos e comida, já que os serviços públicos de saúde e assistência foram fechados.

Para além dos insumos,  a maneira de realizar as ações precisaram se ajustar às medidas de segurança necessárias para evitar a propagação do coronavírus. Dessa forma, a equipe recebeu uma formação sobre como utilizar os Equipamentos de Proteção Individual da maneira correta.

Nas ações e na confecção dos kits: 

-Higiene das mãos com água e sabonete líquido (quando for possível o acesso à pia) e higiene das mãos com preparação alcoólica a 70%
-Uso de óculos de proteção ou protetor facial
-Uso de máscara
-Uso de avental
-Uso de luvas de procedimento
-Macacão
-Botas

Nos casos de necessidade de encaminhamento para equipamentos de saúde: 

-Todos os cuidados citados.
-Notificação prévia do serviço de saúde para onde o caso suspeito ou confirmado será encaminhado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *