É de Lei – 15 anos

Redução de danos sociais e à saúde associados ao uso de drogas.

O que é redução de danos?

A redução de danos caracteriza-se como uma abordagem ao fenômeno das drogas que visa minimizar danos sociais e à saúde associados ao uso de substâncias psicoativas.

Ação de redução de danos em campo.

Ação de redução de danos em campo.

O início destas intervenções foi marcado por ações no campo da saúde, que hoje tem se ampliado da esfera do direito à saúde para a do direito à cidadania e dos Direitos Humanos. As práticas de redução de danos buscam a socialização política de usuários de drogas de maneira crítica, no sentido de tornarem-se protagonistas, de promoverem o auto-cuidado com a saúde e a busca por direitos, pela discussão de políticas governamentais e políticas de estado, numa perspectiva que passa pelo individual e também pelo coletivo.

A atuação em redução de danos hoje tem uma perspectiva mais ampla, de promoção de direitos individuais e sociais de usuário de drogas, mas sua origem data de 1926, na Inglaterra, com a publicação do Relatório Rolleston, a partir do qual se indicava a prescrição médica de opiáceos para dependentes químicos de heroína, como forma de prevalecer os benefícios desta administração frente aos potenciais riscos da síndrome de abstinência. Já a primeira iniciativa comunitária, surgiu na Holanda em 1984, como reivindicação de usuários de drogas injetáveis, que preocupados com os elevados índices de Hepatite B entre si, por conta do compartilhamento de seringas, demandaram ações do governo para a contenção da epidemia, e a partir de então foi criado o primeiro programa de distribuição e troca de agulhas e seringas.

No Brasil a primeira experiência em redução de danos, ocorreu em 1989, na cidade de Santos, com a distribuição de seringas estéreis entre usuários de drogas injetáveis com o objetivo de conter a disseminação do HIV/AIDS, e desde então em muitos estados brasileiros tem sido desenvolvidas ações nesta perspectiva, sejam por instituições públicas ou por organizações da sociedade civil, e com apoio, sobretudo das diretrizes do Ministério da Saúde, por meio dos Programas Nacionais de DST/AIDS, Hepatites Virais e Saúde Mental. Estas ações também se ampliaram para diferentes drogas e diferentes formas de uso de drogas, saindo do foco do usuário de droga injetável.

Convivente fotografa ação INSIDE OUT no Anhangabaú

Convivente fotografa ação INSIDE OUT no Anhangabaú

Estas ações se mostraram bastante responsivas a problemática das drogas, a partir do momento que os índices de infecção pelo HIV tiveram queda expressiva entre os usuários de drogas injetáveis desde o início das ações de redução de danos. Segundo dados epidemiológicos do Ministério da Saúde, a prevalência de HIV entre usuários de drogas injetáveis era de 28,0% em 1993, chegando a 10,2% no ano de 20031.

As estratégias de redução de danos são voltadas para qualquer cidadão, desde aquele que ainda não experimentou drogas, até aquele com uso problemático. No entanto, em geral, as abordagens têm como prioridade, populações em contextos de vulnerabilidade.

A vulnerabilidade de uma pessoa não fica restrita a um determinado comportamento ou conduta, mas está relacionada ao ambiente em que se dá, e também ao contexto sociocultural. O aspecto social da vulnerabilidade se refere a possibilidade de acesso às informações e a capacidade de elaborá-las e incorporá-las nas práticas cotidianas, o que implica na oportunidade de acesso às informações, a recursos materiais e às instituições e serviços, assim como estar livre de estigmas e preconceitos.

A partir deste modelo, as análises e intervenções se dão considerando que as pessoas não são a priori vulneráveis, mas que podem estar em uma situação de vulnerabilidade.

No entanto, o preconceito e o estigma associados ao usuário de drogas e também às ações de redução de danos, decorrentes de uma cultura de combate às drogas, caracterizam a dificuldade de institucionalização das práticas de redução de danos nos serviços públicos enquanto políticas públicas.

IMG_0268

Insumos produzidos e distribuídos pelo É de Lei

Com uma omissão histórica da saúde pública, a atenção ao usuário de drogas foi relegada para a justiça, segurança pública e instituições religiosas, o que contribuiu para a disseminação de uma cultura que associa o uso de drogas à criminalidade, promovendo práticas e modelos de exclusão e separação do individuo da sociedade.

Esta articulação entre poder psiquiátrico, direito penal e também a moral religiosa, torna-se um empecilho para a identificação do usuário de drogas como cidadão de direitos e sujeito político

Ao mesmo tempo observamos a predominância da política de combate às drogas não respondendo de forma eficiente e efetiva aos problemas que podem decorrer deste fenômeno.

Podemos inferir, de forma sucinta, que a violação dos Direitos Humanos entre usuários de drogas incide especialmente sobre aqueles que, em função de desigualdades sociais de várias naturezas e determinadas por pertencimentos a certa classe social, etnia ou gênero, orientação sexual e religiosa, e que estigmatizados, obtêm menor acesso aos espaços de afirmação e garantia de seus direitos.

Ressaltamos assim, que a atual política de drogas brasileira e a legislação reguladora da produção, comércio e consumo de substâncias psicoativas não têm respondido de forma eficiente e efetiva a problemática das drogas, e têm sido responsáveis por consequências bastante danosas para usuários de drogas e a sociedade de uma maneira geral.

A abordagem de Redução de Danos hoje atua na perspectiva transdisciplinar de saúde, cultura, educação, assistência social, trabalho e renda, visando a garantia do cuidado e dos direitos.

Princípios da redução de danos

  • Reconhece que o consumo de drogas faz parte da complexidade da vida e tem uma função social, não se caracterizando como causa de problemas.

  • Considera que produção de saúde é produção de sujeitos, o foco está no individuo não na substância. O usuário participa ativamente de seu auto-cuidado, com a promoção do diálogo e da construção conjunta.

  • Ética do cuidado – respeito e acolhimento às diferenças. Respeito à singularidade do individuo, seu tempo, sua história, seu contexto e seus desejos.

  • Múltiplas metas possíveis, não apenas a abstinência do consumo de drogas.

  • Aproximação do individuo com a rede de cuidados, através de ações intersetoriais, garantindo acesso aos bens materiais e imateriais produzidos pela sociedade e pela cultura.

1 Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde do Brasil (2004) que pode ser acessado em http://www.aids.gov.br

Bibliografia sobre Redução de Danos

  • ABC da Redução de Danos, Secretaria de Estado da Saúde de SC. 2010. Baixe aqui.
  • DROGAS E REDUÇÃO DE DANOS: uma cartilha para profissionais de saúde. Marcelo Niel e Dartiu Xavier da Silveira. 2008. Baixe aqui.
  • Cartilha Drogas e Direitos Humanos. É de Lei. 2013. Baixe aqui.
  • Substâncias psicoativas: classificações, mecanismos de ação e efeitos sobre o organismo. João Carlos Dias e Isabel Martins Pinto. Baixe aqui.
  • Drogas e Cultura: novas perspectivas. Beatriz Labate, Sandra Goulart, Maurício Fiore, Edward Macrae, Henrique Carneiro. 2008. Baixe aqui.
  • Panorama Atual de Drogas e Dependência. Dartiu Xavier da Silveira e Fernanda Gonçalves Moreira. 2006. Baixe aqui.
  • O cuidado de pessoas que usam drogas: contribuições de uma Redução de Danos fecundada pela Educação Popular. Dênis Roberto da Silva Petuco. Baixe aqui.
  • Juventude e Políticas Sociais no Brasil. Jorge Abrahão de Castro e Luseni Aquino. 2008. Baixe aqui.
  • Sobre Drogas e Redução de Danos: o cotidiano dos profissionais do programa +Vida do Recife. Lins, Pimentel e Uchôa. 2010. Baixe aqui.
  • Plano Muncipal de atenção integrada ao crack e outras drogas. Prefeitura de Recife. Baixe aqui.
  • Manual sobre o cuidado à saúde junto à população em situação de rua. Ministério da Saúde. 2012. Baixe aqui.
  • Módulo 3: prevenção. Gaia, Madruga, Estanislau, Amato. In: Educação em Saúde: dependência Química. Baixe aqui.
  • Módulo 4: Tratamento. In: Educação em Saúde: dependência Química. Baixe aqui.
  • Módulo 5: o que é e como se faz redução de riscos e danos? Comis. In: Educação em Saúde: dependência Química. Baixe aqui.
  • A norma da abstinência e o dispositivo “drogas” : direitos universais em territórios marginais de produção de saúde (perspectivas da redução de danos). Tadeu de Paula Souza. 2013. Baixe aqui.

Obs: A maioria dos trabalhos indicados levam a links externos, onde os próprios autores disponibilizam o acesso aos documentos. Em outros casos, o É de Lei optou por subir o material na internet, acreditando contribuir com a divulgação das publicações. Se por ventura algum dos autores se sentir lesado, favor entrar em contato com o É de Lei em comunico.edelei@gmail.com. 

 

 

 

4 comentários em “O que é redução de danos?

  1. edilene
    27 de agosto de 2014

    muito bom!nos faz refletir nossas atuais ações.!

  2. Tatiana
    5 de setembro de 2014

    Estamos fazendo um trabalho sobre redução de danos o que vcs poderiam nos acrescentar?

  3. Anônimo
    8 de setembro de 2014

    Tatiana, acabamos de indicar acima bibliografia sobre o tema e você pode vir nos visitar para conhecer melhor o trabalho!

  4. suely silva
    16 de setembro de 2014

    Redução de danos é uma iniciativa grandiosa , que nos dispomos a fazer para tentar prevenir problemas relacionados as substâncias psicoativas. Como o álcool e outras drogas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Redução de danos

Respire

Ponto de Cultura

Coletivo DAR (parceiro)

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 38 outros seguidores